sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Titans capota em Indianópolis. O que aconteceu?


Há muito tempo não escrevo para o blog e não estava nos meus planos voltar a fazer isso depois de mais uma derrota acachapante para o Colts, mas há algumas coisas que precisam ser ditas. Primeiro de tudo, o Titans finalmente voltou a ter um HC decente e um GM que sabe o que fazer. Não dê ouvidos a quem não assistiu o Titans do início do milênio jogar e que só vai na onda. Jeff Fisher fez um ótimo trabalho em Nashville, e junto com Floyd Reese, ele montou um elenco que deveria ter vencido o Super Bowl. Além de ter batido na trave em 99, no ano seguinte tivemos a melhor equipe da NFL. A sorte não sorriu para a gente em dois jogos cruciais e ficamos sem o cobiçado anel.

Após a saída da dupla Reese e Fisher, o comando da franquia ficou em mãos cada vez mais incompetentes. Quando ninguém imaginava que era possível existir um HC pior que o Mike Munchak, eis que surge Ken Whisenhunt. Depois do fiasco da gestão de Mike Reinfeldt, Ruston Webster mostrou que é possível errar em 95% das suas escolhas no draft. Até quando ele acertou, escolhendo Taylor Lewan, ele pegou o cara errado, afinal, logo depois Odell Beckham Jr. e Aaron Donald foram selecionados. 

Jon Robinson é um GM competente que vai nos manter na briga pelos playoffs por muitos anos. Acho que ele poderia ter feito mais com os nossos picks no draft, porém não dá para reclamar com alguém que trouxe ao time uma série de bons atletas. Vrabel, por sua vez, já calou os seus críticos. Em uma temporada em que aconteceu quase tudo de errado em Nashville, ele manteve o time com pegada certa e conseguiu algumas vitórias que ninguém esperava. Vrabel é arrojado, moderno e um líder nato. Nunca pensei que gostaria de ver as entrevistas coletivas de um HC após as derrotas, mas com este cara tudo é diferente. Ele não inventa desculpas e explica tudo que você precisa saber.

Sobre a nossa nona derrota para o Luck, eu digo o seguinte: você sofre mais quando é ignorante. Burrice e teimosia não levam ninguém a lugar nenhum. Se você ainda não entendeu, vou explicar: Luck é um HoF QB que vai infernizar a nossa vida até o dia que ele se aposentar ou mudar de equipe. É obvio que o maluco não “mitou” nesses nove jogos. Em algumas vitórias contra o Titans o cara não foi bem, mas do outro lado tinha um time muito ruim incapaz de vencer jogos importantes. A fase em que o Luck ruim podia ir mal já passou. Colts está em boas mãos e eles sempre serão os favoritos ao título da divisão. A NFL é a nova BIG 12. Esta é uma liga de QBs. Quem tem o melhor, logo, torna-se o time a ser batido.

O Titans se preparou mal para a partida contra o Colts? Não sei dizer, realmente. Eu acho que o Titans jogou mal contra o Colts, cometendo erros que não vimos nas vitórias contra Cowboys e Patriots. Somos o time mais disciplinado da liga e entregamos algumas jardas cruciais por conta de faltas idiotas. As big plays voltaram a ser um problema. Já a pressão no QB não apareceu em momento algum. Fora de casa e contra um ataque voando, você não vai arrumar nada atuando assim.

O ataque foi o que matou qualquer chance de vencermos no Lucas Oil Stadium. Quando o Titans precisava de mais uma boa atuação do Mariota, o nosso QB fez um dos seus piores jogos. É difícil criticar o havaiano, afinal, é com ele que a gente pode chegar a algum lugar, porém o garoto do Oregon não pode seguir com essa inconsistência.

Com um terceiro esquema em quatro anos, você entende que o QB sofra um pouco, porém isso não afeta precisão. Mariota voltou a perder o Luke Stocker em uma jogada que poderia ter nos rendido o TD. Ele também sofreu demais com as blitzes do Colts. Foi uma surpresa ver o nosso oponente atacando a OL com mais de 4 homens, mas isso não justifica tantos problemas assim. Não marcamos TD no primeiro drive porque o Colts foi mal, e sim porque o Mariota não completou jogadas que um QB titular precisa fazer. Não era nada de outro mundo achar o Sharpe no meio do campo para um ganho de mais de 20 jardas, não era nada impossível acertar o passe para o Stocker e muito menos encontrar o Batson livre no 3rd down que acabou em sack. Não digo que venceríamos o jogo por conta dessa hipotético 7 a 0, mas é inegável que a partida seria outra.

No drive seguinte o Mariota também perdeu um WR livre. Na sequência veio a INT e o jogo já estava fora do nosso alcance.

A culpa não é toda do QB. Pra mim, o vilão é o LaFleur. Você é um técnico jovem, que trabalhou com duas mentes brilhantes, e o que você tem a oferecer são essas corridas para poucas jardas nas primeiras descidas? Sério, cara? Com a NFL desse jeito você acha que o time tem mais a ganhar dando a bola para Lewis e Henry? Prefiro perder com o Mariota fazendo 40 passes do que com essa dupla de RBs terminando o jogo com um sucess rate pífio. Por que a defesa pode ser agressiva e o ataque não?

Não defendo demissões. Acho que Mariota e LaFleur merecem uma segunda chance, porém o Titans precisa trabalhar com a hipótese de mudança em 2020. Não se investiu muito nesse ataque para a gente ficar entre os piores. Eu sei que as lesões não param de aparecer, mas você precisa driblar tudo isso. O QB é bom, a OL tem atletas talentosos e o Corey Davis é um WR bastante competente. Tá na hora da galera tirar o pau pra fora e começar a bater na cara dos nossos rivais.

É isso aí. Ainda tem muita água para rolar debaixo dessa ponte e o nosso schedule fica bem acessível no último mês do ano. Dá pra aprontar ainda, mas o time precisa jogar bem, com a defesa levando por volta de 20 pontos e o ataque chegando perto dos 30.

TITAN UP!

Nenhum comentário: